Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Body shaming na mídia

Body shaming na mídia: o que fazer para não praticar e não sofrer

Conhecido como body shaming, ridicularizar o corpo do outro ganhou mais proporção com as redes sociais. Veja dicas para não praticar e nem sofrer!

publicidade

publicidade

Body shaming na mídia: o que fazer para não praticar e não sofrer

Conhecido como body shaming, ridicularizar o corpo do outro ganhou mais proporção com as redes sociais. Veja dicas para não praticar e nem sofrer!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Body shaming na mídia

publicidade

publicidade

A mídia social é a maior ferramenta para se conectar com pessoas ao redor do mundo. Ela torna possível que experiências, opiniões e ideias sejam compartilhadas em tempo real. Mas nem só de pontos positivos essa plataforma vive, não é mesmo? Com a sua evolução, alguns problemas sociais começaram a aparecer, como o cyberbullying e o body shaming online. 

O que é body shaming e como ele se manifesta?

Body shaming acontece quando você se incomoda com o corpo de uma pessoa e decide dar uma de fiscal. Assim, fica analisando cada “defeito” a ponto de ridicularizar o outro. Em algumas ocasiões, esses comentários maldosos aparecem de forma velada, pois tem gente crente que está apenas “ajudando”. Isso sempre aconteceu na vida real também, mas com a internet tomou outras proporções. 

Praticar body shaming pode estar relacionado à própria insatisfação

De acordo com Alexandra Gurgel, a prática do body shaming pode estar relacionada a própria insatisfação de quem pratica. “Isso se assemelha muito ao discurso de ódio por achar que o corpo do outro é domínio público, mas não é, seja alto, baixo, preto, branco, gordo e magro também”, explica. “O que é exposto nas redes, muitas vezes, são fotos irreais trabalhadas para corrigir as imperfeições e ressaltar o físico ‘ideal’”.

Body shaming na mídia causa vítimas

A verdade é que, por décadas, a mídia divulgou imagens irrealistas de como um corpo deveria ser. Isso contribuiu bastante que o body shaming continuasse ativo, “vendendo” ainda mais o modelo de insegurança. Antes, vendiam-se capas de revistas. Hoje, são likes. 

Ganhar uma grande quantidade de likes, comentários e seguidores pelo Facebook, Instagram, Pinterest e mais aplicativos se tornou um termômetro de sucesso e popularidade. No entanto, esses aspectos de apreciação podem ser fontes diretas que alimentam a autoestima das pessoas ou que as levam a algum tipo de distúrbio de imagem.

Pessoas que lidam com a preocupação de defeitos inexistentes ou sutis se sentem angustiadas e infelizes com sua aparência física, peso ou forma. Por isso, esse sentimento de insatisfação corporal é um alerta que mostra que você pode estar sendo levado a ter problemas psicológicos e físicos. 

Aparências de famosas são questionadas na web

Com o passar dos anos, famosos se aliaram para mudar essa narrativa em torno dos padrões de beleza. Mas, enquanto essa voz não se espalha massivamente, alguns deles continuam sendo atacados por sua aparência. 

Até pouco tempo, Cleo estava enfrentando uma onda de comentários após ganhar peso. O mesmo aconteceu com Demi Lovato. Com histórico de distúrbios alimentares e crises depressivas, elu recebeu uma enxurrada de ofensas por publicar uma foto de biquíni.  Em menos de dois meses, Camila Cabello também teve seu visual questionado. “Estar em guerra com seu próprio corpo é tão antiquado. Somos mulheres reais, com curvas, celulites, estrias e gorduras”, rebateu. 

Camilla de Lucas, do “BBB21”, também sofreu ataques por optar usar laces de cabelo liso, enquanto a humorista Gkay foi criticada por aparecer sem maquiagem. “Vocês não sabem o que fazem com a autoestima de uma pessoa. Vocês jogam ela no lixo porque é toda hora: cabelo feio, roupa feia, cara feia, corpo feio. Deixa eu ser feia”, desabafou a atriz. Os casos nunca acabam, infelizmente. 

Evitar comentar sobre o corpo do outro é a saída para acabar com o body shaming

Para dar fim ao body shaming, é muito importante que pessoas parem de comentar sobre o corpo do outro. Esse tipo de comentário, tanto de forma positiva quanto negativa, podem provocar a visão errada que homens e mulheres possam ter de seu próprio físico.

Alexandra Gurgel acredita que não opinar sobre o corpo do outro começa a contribuir socialmente. “É difícil, mas com o tempo a desconstrução acontece”, afirma. Além disso, é essencial aprender mais sobre a autoaceitação e se cuidar dentro de suas possibilidades. Assim, evitam-se as comparações e o desgaste emocional. 

Saiba como proteger a sua imagem

Segundo um estudo concluído pela empresa Dove Beauty, mais do que nunca homens e mulheres estão buscando inspiração pela internet, embora a influência nem sempre seja positiva. 

Por isso, é importante usar a mídia social com atenção e entender o impacto individual que isso pode acarretar. Muitas pessoas preferem sair das redes, ou dar um tempo, o que é uma ótima dica. Nesses casos, considere fazer uma pausa. Consuma contas que sejam encorajadoras. Priorizar sua saúde mental é a missão mais importante!

Foto de capa: Pexels

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade