Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Capacitismo: Pequena Lô e Luciano Szafir fazem campanha para descontruir preconceito contra pessoas com deficiência

Capacitismo é tema de campanha com Pequena Lô e Luciano Szafir

Pequena Lô e Luciano Szafir estrelam campanha anti-capacistimo para dar visibilidade e propor a desconstrução de preconceito contra pessoas com deficiência.

publicidade

publicidade

Capacitismo é tema de campanha com Pequena Lô e Luciano Szafir

Pequena Lô e Luciano Szafir estrelam campanha anti-capacistimo para dar visibilidade e propor a desconstrução de preconceito contra pessoas com deficiência.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Capacitismo: Pequena Lô e Luciano Szafir fazem campanha para descontruir preconceito contra pessoas com deficiência

publicidade

publicidade

No último domingo (28), o Fantástico levantou uma discussão sobre o capacitismo contra pessoas com deficiência. A campanha “Você me vê como eu me vejo?” foi criada para dar visibilidade e propor ações na desconstrução de preconceitos. Além disso, a ação traz personalidades como Luciano Szafir e a influenciadora Lorrane Silva, conhecida como Pequena Lô, como representantes do “Em Desconstrução”.

“Os meus vídeos são de humor, mas sempre têm uma mensagem. E a principal, eu acho, é a representatividade, que nós, pessoas com deficiência, podemos ocupar o espaço que a gente quiser”, disse Lorrane.

Médicos nomeiam síndrome de Pequena Lô como displasia óssea

Em recente entrevista, Pequena Lô disse não saber com clareza qual é o seu tipo de condição física por falta de diagnóstico certeiro: “Minha síndrome não foi descoberta, então os médicos a nomeiam como displasia óssea. Mas a síndrome em si não foi desvendada e meu estudo genético chegou a ir para fora do Brasil. Sou rara no mundo”.

Antes de tudo, Lorrane Silva começou como influenciadora em 2015 pelo Youtube, quando abordava mais sobre o capacitismo. No entanto, em 2016, a mineira migrou para o Instagram e seguiu para o TikTok no início da pandemia. “Antes, as pessoas me identificavam como Lo, a deficiente. Hoje, sou a Lo humorista e influenciadora. Acho que isso quebra um tabu enorme de que as PCDs (pessoas com deficiência) não são capazes de fazer nada”, completou.

Atualmente, Pequena Lô tem 1,3 m de altura. A humorista disse que andava normalmente até os 11 anos de idade, mas não conseguiu voltar a andar após sua quinta cirurgia. Além das muletas, ela também tem ajuda para se locomover com uma scooter.

Luciano Szafir se torna porta-voz de pessoas colostomizadas

Assim como Pequena Lô, Luciano Szafir também se tornou porta-voz contra o capacitismo. Isso porque o ator passou a representar pessoas colostomizadas por conta das complicações causadas pela covid-19. Ele ficou 35 dias internado e precisou passar por uma cirurgia no abdômen para retirada de um hematoma e de um segmento do cólon, uma das partes do intestino grosso.

Recuperado da cirurgia de emergência, Luciano Szafir foi convidado para desfilar no São Paulo Fashion Week e deixou a bolsa de estomia em evidência. Desse modo, a atitude do artista foi uma forma de quebrar o capacitismo e mostrar que a deficiência é apenas um detalhe e não define ninguém.

“Há muito tempo que eu já planejava isso e esta surpresa no desfile foi pensada em todos os detalhes. A mensagem que eu quero passar a todos é que a estomia não define ninguém!”, declarou ele, acrescentando em seguida: “Sejamos felizes como somos, vamos aceitar os outros como são e agradecer às oportunidades que a vida nos traz!”.

O que é o capacitismo e como combater

Capacitismo é a discriminação e o preconceito social contra as pessoas com deficiência com base na crença de que as habilidades típicas são superiores. Assim, a capacidade está enraizada na suposição de que as pessoas com deficiência precisam de “conserto” e define as pessoas por sua deficiência.

E o que podemos fazer para reconhecer e evitar o capacitismo? Em primeiro lugar, acredite nas pessoas quando elas revelarem a deficiência. Além disso, não presuma que você sabe o que alguém precisa, não toque uma pessoa com deficiência ou seu equipamento de mobilidade sem consentimento.

Por fim, guarde as perguntas invasivas para si, fale sobre deficiência com crianças e jovens, incorpore a acessibilidade ao planejamento do seu evento e mais.

Foto de capa: Reprodução Instagram / @_pequenalo

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade