Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Capacitismo: como combater o preconceito

Capacitismo: saiba o que é e como combater o preconceito

Você sabe o que é capacitismo? É a discriminação com pessoas com deficiência, que, muitas vezes, acontece de forma velada. Saiba mais!

publicidade

publicidade

Capacitismo: saiba o que é e como combater o preconceito

Você sabe o que é capacitismo? É a discriminação com pessoas com deficiência, que, muitas vezes, acontece de forma velada. Saiba mais!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Capacitismo: como combater o preconceito

publicidade

publicidade

Você já ouviu falar sobre capacitismo na escola, faculdade ou no trabalho? É quando pessoas sofrem discriminação por sua deficiência, seja ela física, visual, auditiva, mental, intelectual ou múltipla. O termo capacitismo, chamado de “ableism” em inglês, é também usado quando alguém subestima a capacidade e aptidão do outro. Além disso, muitas das vezes ele acontece de forma velada ou inconsciente, devido ao preconceito estrutural. 

Saiba como reconhecer o capacitismo

De acordo com a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU, o capacitismo acontece quando há “qualquer diferenciação, exclusão ou restrição baseada em deficiência”. Também quando essas atitudes impossibilitam o reconhecimento ou o exercício de direitos humanos e liberdades nos âmbitos político, econômico, social, cultural, civil ou qualquer outro.

Praticar ou incitar discriminação é crime!

Em um mundo capacitista, uma pessoa que não tem deficiência é considerada “normal”. Por outro lado, uma pessoa com deficiência pode ser reduzida como alguém incapaz, dependente, sem voz própria e até sem valor.

Com a Lei de Cotas, essa visão passou a ser superada. Criada em 1991, ela tem como foco a inclusão no mercado de trabalho. Além disso, o capacitismo e discriminação também estão na Lei Brasileira de Inclusão. De acordo com o Art. 88, “praticar, induzir ou incitar discriminação de pessoa em razão de sua deficiência” pode levar à reclusão de até três anos e multa. 

Pequena Lô vê evolução na sociedade: “Quebrar tabu devagar”

Com mais de 3 milhões de seguidores, Lorrane Silva, conhecida também como a Pequena Lô nas redes sociais, retrata com leveza e bom humor temas como deficiência e capacitismo. A influenciadora nasceu com uma síndrome não-identificada, associada à displasia óssea, e ganhou incentivo de um primo para criar esse canal de comunicação aberta.

“Quando comecei, nunca pensei em parar, porque a mensagem que levada é a da representatividade, para PCDs e como mulher. Hoje eu vejo outras mulheres PCDs colocando a cara a tapa na internet, levando essas informações. É muito legal levar essa mensagem para o pessoal quebrar esse tabu devagar”, vibrou Lorrane à “TV Cultura”.

Victor Di Marco aconselha relação com pessoas com deficiência sem roteiros

Victor di Marco é ator, cineasta e autor de esquetes que falam dos desafios vividos por pessoas com deficiência, como o projeto “o que pode um corpo?”. Ele possui distonia generalizada, um distúrbio neurológico dos movimentos. Quando o assunto é capacitismo e relacionamento, Victor indica que as pessoas não cheguem com roteiros pré-definidos. 

“Ao se relacionar com uma pessoa com deficiência, é preciso saber quais os limites que ela tem, assim como qualquer outra pessoa e qualquer relação”, aconselhou.

Veja como é possível combater o capacitismo

Falar sobre capacitismo é fundamental para espalhar o direito de participação de pessoas com deficiência na sociedade. Em 2016, um grupo de amigos com deficiências físicas levantou a tag #ÉCapacitismoQuando pelas redes sociais. O intuito era colocar o capacitismo nas conversas rotineiras e fazer com que as pessoas tenham mais respeito pelas diferenças.

Acima de tudo, muito trabalho precisa ser feito. Entretanto, a inclusão pode começar transformando as organizações em um ambiente mais acessível. É preciso conhecer o assunto, deixar que as pessoas saibam do capacitismo. Informar, esclarecer, compartilhar conteúdos educativos e explicar como isso pode impactar na sociedade.

Por fim, palestras, dinâmicas em grupos, relatos e uma rede de confiança é um bom começo para agir contra o capacitismo, colocando em lugar de igualdade pessoa com deficiência em ambientes até então negados a elas.

Foto de capa: Pexels

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade