Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

SPFW: moda racializada, não-binária e corpos reais são destaques

SPFW: moda racializada, não-binária e com mais corpos reais

A volta do SPFW trouxe às passarelas corpos reais, representatividade negra, moda não-binária e mais. Veja os destaques!

publicidade

publicidade

SPFW: moda racializada, não-binária e com mais corpos reais

A volta do SPFW trouxe às passarelas corpos reais, representatividade negra, moda não-binária e mais. Veja os destaques!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
SPFW: moda racializada, não-binária e corpos reais são destaques

publicidade

publicidade

A volta dos desfiles presenciais do SPFW deram aula de diversidade de corpos, respeito às entidades e padrões da moda sendo quebrados que merecem ser contadas aqui no Alexandrismos. Como, por exemplo, a aparição de Luciano Szafir desfilando usando uma bolsa de colostomia e aproveitando para passar a mensagem de que “a estomia não define ninguém”.

Luciano Szafir reforça importância da autoaceitação em desfile

Luciano Szafir foi convidado pelo estilista Walério Araújo para desfilar na noite desta última quinta-feira (18). O artista cruzou a passarela com uma bolsa de colostomia, item que precisou usar após os 35 dias internado em hospital no Rio de Janeiro por conta da Covid-19. Desse modo, ele apresentou complicações e precisou passar por uma cirurgia no abdômen para a retirada de um hematoma e de um segmento do cólon, uma das partes do intestino grosso.

“Há muito tempo que eu já planejava isso e esta surpresa no desfile foi pensada em todos os detalhes”, disse Szafir, que garante estar muito feliz por poder “conscientizar as pessoas sobre a importância do uso de uma bolsa de estomia”. “Sejamos felizes como somos, vamos aceitar os outros como são e agradecer às oportunidades que a vida nos traz!”, completou.

Marca nacional lembra entidades espirituais no SPFW

Uma iniciativa do coletivo Pretos na Moda e o VAMO (Vetor Afro-Indígena na Moda) chamou muito a atenção na passarela. A parceria resultou no Projeto Sankofa, que estreou o segundo dia dos desfiles pelo SPFW e mostrou que a moda nacional pode, sim, racializar.

Mas como isso? Os irmãos Céu e Júnior Rocha apresentaram a coleção “Salve o Povo da Rua” e, sobretudo, lembraram de entidades espirituais como Exu, Pomba Gira, Tranca Rua em peças para lá de modernas e com cores vivas. Para completar a identidade da marca, muito do street style, estampa africana e detalhes que trazia muito da periferia.

Rita Carreira bate recorde no SPFW e representa mulheres negras

A carreira de modelo de Rita Carreira agora está sendo completamente administrada pela mesma. Assim, de volta às passarelas do SPFW, ela bateu seu recorde de modelo plus size desfilando para um total de cinco marcas, sendo a primeira para o estilista Walério Araújo.

Depois de dois anos afastada das passarelas por conta do coronavírus, a modelo também se apresentou para Apartamento03, Isaac Silva, Angela Brito e Lenny Niemeyer, Baska e Az Marias.

Em entrevista, ela disse acreditar na diversidade da atual edição do evento e se queixou da falta de representatividade de mulheres negras na moda. “É muito grande”, lamentou. “Eu estou tão feliz em voltar para as passarelas. Sempre foi um objetivo que eu queria alcançar. Porque para mim, para eu uma modelo se consagrar, ela precisava participar do SPFW e aparecer na capa da ‘Vogue’, e eu já consegui os dois”, conta.

“O que é feminino ou masculino”? Bold Strap passeia pelo binarismo

Estreante na temporada, a marca Bold Strap conseguiu causar e trazer tudo o que é mais de inovador no mercado da moda. Ela se inspirou no surrealismo fetichista de artistas como Hans Bellmer e também passeou pelo binarismo, questionando: o que é feminino e masculino, afinal?

A coleção, chamada “Bold Ball”, trouxe elementos tradicionalmente “femininos”, como o corset e outros tipos de lingeries, mas vestidos em todos os gêneros.

Thais Carla levanta reflexão no SPFW sobre normalização de corpos reais

Ao cruzar a passarela do São Paulo Fashion Week no desfile Meninos Rei, Thais Carla quis promover a normalização de corpos reais, além de reforçar o quanto é importante a representatividade e autoaceitação. Além disso, essa foi a estreia da influenciadora no evento de moda pelo projeto Sankofa.

Em seguida do desfile, a influenciadora, que é porta-voz da militância gorda, comemorou a participação. “Hoje foi um dia de muita emoção e realização do sonho. Incrível poder levar comigo esse conceito e por meu corpo gordo para jogo também nas tendências. Eu estou aqui para educar os olhos da sociedade e fazer com que eles repensem o conceito do que é ser belo. Finalmente, nossos corpos estão sendo festejados, desejados e vestidos com as principais marcas. É só o começo”, destacou.

Foto de capa: Reprodução / Instagram @spfw

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade