Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Preenchimento de vagina: os riscos do procedimento estético

Preenchimento de vagina: procedimento não-cirúrgico pode causar riscos

Entre os procedimentos estéticos não cirúrgicos, o preenchimento de vagina repercutiu nas redes sociais. Mas o que isso significa? Além de reforçar o machismo, a técnica pode causar riscos à mulher. Veja!

publicidade

publicidade

Preenchimento de vagina: procedimento não-cirúrgico pode causar riscos

Entre os procedimentos estéticos não cirúrgicos, o preenchimento de vagina repercutiu nas redes sociais. Mas o que isso significa? Além de reforçar o machismo, a técnica pode causar riscos à mulher. Veja!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Preenchimento de vagina: os riscos do procedimento estético

publicidade

publicidade

Você já ouviu falar sobre preenchimento de vagina? Nos últimos meses, o procedimento estético ganhou bastante repercussão nas redes sociais. Isso porque é feito com ácido hialurônico na região íntima, com o propósito de aumentar o prazer sexual dos homens.

No entanto, especialistas não recomendam o uso de substâncias no ponto H, dentro do canal vaginal. Seus efeitos são podem levar riscos à saúde sexual das mulheres. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), ele é “antiético”, “imprudente” e “enganoso”. Entenda os riscos do preenchimento de vagina.

O que é o preenchimento no ponto H?

Mas o que é o preenchimento do ponto H? Trata-se da aplicação do ácido hialurônico dentro da cavidade vaginal. Feito na parte interna, ele é localizado no oposto de onde é indicado o “ponto G”.

O ácido hialurônico ganha a função na pele de fazer sustentação, preenchimento e hidratação. Neste caso, a aplicação do produto supostamente criaria um relevo na parede vaginal. Com isso, aumentaria o atrito com o pênis, supostamente oferecendo mais prazer sexual dos homens.

Especialistas afirmam que preenchimento de vagina é inadequado

De acordo com a médica ginecologista Gabriela Pravatta Rezende, o preenchimento de vagina não traz nenhum benefício. Além disso, pode acarretar outros problemas à saúde da mulher, não indicando a prática.

“É uma coisa experimental e ninguém sabe quais os efeitos a longo prazo. Até criar esse relevo, às vezes, a paciente vai precisar de mais de uma aplicação. Não sabemos se isso pode trazer algum malefício para a mulher, se isso pode estimular lesões na vulva feminina ou aumentar as chances de infecções, corrimento e deformidades”, explicou ao portal “G1”.

Preenchimento de vagina para prazer do homem é considerado machista

Além desses alertas, vale ressaltar que este tipo de procedimento que mexe com o corpo de uma mulher e visa o prazer masculino reforça ainda mais o machismo. No caso do preenchimento de vagina, fica bem claro o quanto o prazer feminino não é prioridade.

“Esses procedimentos, que visam principalmente a sexualidade masculina, acabam sendo, de certa maneira, um retrocesso (…) Temos que ver o contexto como um todo, porque isso pode estar relacionado com a pressão estética criada pela indústria pornográfica, a própria cultura e o machismo estrutural”, explicou a ginecologista.

“A sexualidade é algo muito mais complexo do que parece. Prazer tem muito mais a ver com a saúde e intimidade do relacionamento, alimentação, bem-estar, sono, a mulher se sentir bem com ela mesma do que com um local específico da vagina. Para ter prazer a vagina não precisa ser apertada ou flácida. Isso não é uma regra, nem para as mulheres e nem para os homens”, completou.

Foto de capa: Unsplash

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade