Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Doença do silicone

Doença do silicone: o que é, sintomas e tratamentos indicados

Colocar silicone envolve riscos, como qualquer cirurgia. Porém, relatos sobre a doença do silicone estão cada vez mais comuns. Afinal, o que é isso?

publicidade

publicidade

Doença do silicone: o que é, sintomas e tratamentos indicados

Colocar silicone envolve riscos, como qualquer cirurgia. Porém, relatos sobre a doença do silicone estão cada vez mais comuns. Afinal, o que é isso?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Doença do silicone

publicidade

publicidade

Colocar ou não silicone é uma escolha pessoal. Porém, é importante saber que, assim como qualquer outra cirurgia, o implante envolve riscos. Entre eles, a doença do silicone, que vem chamando a atenção de pesquisadores, médicos e de mulheres que relatam sintomas bem semelhantes após terem feito a operação. Mas, afinal, o que é a doença do silicone? Como identificar? Quais são os sintomas? Como tratar as complicações decorrentes do implante mamário?

A doença do silicone é um conjunto de sintomas decorrentes da prótese

No Brasil, o silicone é a cirurgia mais procurada entre as mulheres, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). No entanto, apesar de ser considerado seguro, ainda pouco se fala sobre os riscos da intervenção estética, que existem. Entre eles, está a doença do silicone, que comporta uma série de sintomas potencialmente desencadeados pelo implante mamário.

Os mais comuns são cansaço excessivo, depressão, insônia, alteração do funcionamento do intestino, dor nas articulações e queda de cabelo. Muitas mulheres também relatam sentir os olhos e a boca secos, problemas nas articulações e até lapsos de memórias e concentração. 

Médico brasileiro descobre síndrome rara relacionada à prótese de silicone

À frente dos estudos relacionados à doença do silicone no Brasil, está o médico e pesquisador Eduardo Fleury. Ele também coordena a equipe de Imaginologia Mamária do IBCC Oncologia. O médico descobriu uma síndrome rara que está relacionada às próteses mamárias, chamada SIGBIC.

“Existe um leque extenso de complicações, que tentam fragmentá-las. Assim é mais fácil enfrentá-las. Nosso estudo mostra que todas têm a mesma origem, onde destacamos: contratura capsular, doenças sistêmicas, linfoma anaplásico de grandes células, carcinomas e sarcomas mamários (mais raros)”, explica o profissional. 

Em seu livro, “A voz do silêncio: quando a ciência é a inimiga. A saga da Doença do Silicone”, o médico conta mais sobre esse estudo pioneiro. Ele explica que a motivação para o trabalho foi o posicionamento oficial do FDA, a agência americana reguladora de medicamentos e saúde. 

“O FDA considerou os implantes como equipamentos tarjas pretas. O relatório é muito contundente frente às complicações do silicone, e basicamente está contido no relatório todos os dados da minha pesquisa”. 

Eduardo Fleury também destaca que o estudo sobre as complicações causadas pelo silicone não é fácil, já que não existe apoio em pesquisas no Brasil. Pior ainda: quem não sente nenhum sintoma desqualifica quem sofre com os problemas. 

“A questão do estudo é muito ingrata. Pois o único interessado nela são as pacientes vítimas das complicações. Não há compaixão das pacientes com implantes e que se consideram assintomáticas com as que sofrem problemas. Geralmente elas desqualificam os relatos”. 

O explante de silicone é uma opção, mas ainda é considerado um tabu

Nem todo mundo que tem silicone vai apresentar sintomas ou problemas com as próteses. No entanto, como lembra o cirurgião plástico William Massami Itikawa, nenhum implante é vitalício. Colocar silicone exige manutenções periódicas, ressonância, consultas anuais e trocas, em caso de desgaste ou complicação. 

Por isso, o explante é uma opção para quem quer se sentir livre dessas obrigações. Mas o médico alerta: “Dependendo do caso, o explante pode ser uma cirurgia mais cara que a de implante. Importante lembrar que a cirurgia de explante acaba sendo uma consequência de uma cirurgia estética, não havendo assim uma cobertura garantida pelo SUS”. 

Apesar das dificuldades e da falta de apoio acadêmico, muitas mulheres que tiveram sintomas relacionados ao silicone estão cada vez mais optando pelo explante das próteses e se sentem mais satisfeitas com o resultado

“Acredito que esse movimento tem a ver com a aceitação de um corpo natural, orgânico. Com o autoconhecimento e reconhecimento de que mamas naturais podem ser lindas”, conta o médico. “Retirar as próteses de maneira definitiva ainda é um tabu, pois há de ter ainda uma desconstrução de alguns padrões de beleza na cultura brasileira”. 

Foto de capa: Unsplash

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade