Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Modelos com vitiligo

5 modelos com vitiligo que quebram padrões na moda

Você sabia que existem modelos com vitiligo quebrando o padrão de beleza da indústria da moda? Conheça esses nomes e inspire-se em suas histórias!

publicidade

publicidade

5 modelos com vitiligo que quebram padrões na moda

Você sabia que existem modelos com vitiligo quebrando o padrão de beleza da indústria da moda? Conheça esses nomes e inspire-se em suas histórias!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Modelos com vitiligo

publicidade

publicidade

Mesmo o mundo da moda sendo conhecido por perpetuar normas excludentes e ideais de beleza inalcançáveis, ele tem aberto espaço para representatividade de modelos com vitiligo. A condição genética, que ficou mundialmente conhecida através de Michael Jackson, é uma doença autoimune caracterizada pela despigmentação da pele em forma de manchas.

Ainda assim, o preconceito e a ideia de que possa haver contágio são estigmas para desconstruir. Por isso, fizemos uma seleção de modelos com vitiligo que revolucionam a indústria e quebram padrões nas passarelas e na frente das lentes de grandes fotógrafos. Quer ver? Vem com a gente!

Winnie Harlow: modelo pioneira nas passarelas e “porta-voz” do vitiligo

Chantelle Brown-Young, mais conhecida como Winnie Harlow, foi a primeira modelo com vitiligo a fazer campanhas de grifes de luxo e a desfilar no Victoria ‘s Secret Fashion Show. Desde que foi descoberta no reality “America’s Next Top Model” em 2014, consagrou-se como a “modelo porta-voz do vitiligo”, inspirando mulheres a irem atrás de seus sonhos.

Apesar disso, Winnie diz que nem sempre esteve confortável em sua pele e que na escola enfrentava comentários maldosos. Hoje, quebrando todos os estereótipos e no auge de sua carreira, ela soma dezenas de capas de revistas mundialmente famosas. “A real diferença não é a minha pele. É o fato de que não encontro beleza na opinião dos outros. Sou linda porque sei disso”, afirma.

Sam Gonçalves foi o primeiro modelo com vitiligo a desfilar no SPFW

O brasileiro Sam Gonçalves foi o primeiro modelo masculino com vitiligo a desfilar no São Paulo Fashion Week. Juntamente com o sofrimento pela perda recente do pai, aos 12 anos, o modelo passou por bullying feito pelos colegas de escola. Mas isso não o desanimou. “Foi depois de o meu pai morrer de câncer. Quando adolescente não me aceitava, me achava feio, e por isso cheguei a fazer tratamento, mas os remédios são muito caros e não davam resultado. Hoje me aceito”, conta.

Carine Guimarães mostra como existe beleza no vitiligo

Carine Guimarães, modelo nordestina que faz dezenas de campanhas ao redor do país, carrega consigo a representatividade de diversos grupos. O vitiligo começou a se desenvolver aos 6 anos e, desde então, ela busca mostrar a beleza de sua condição. “Meu sonho é mostrar o vitiligo sem vitimismo. Minhas conquistas são pelo meu talento, não pela minha pele”, conta.

A modelo Larissa Sampaio defende a autoaceitação do vitiligo

Depois que passou por um trauma após a perda de um parente, Larissa Sampaio, modelo e criadora de conteúdo, desenvolveu vitiligo. Desde então, transformou suas manchas em “pequenos troféus”. “Cada manchinha que eu tenho no meu corpo carrega um significado, um significado de eu me amar mais e mais, um significado de eu lutar contra qualquer tipo de preconceito, de eu ajudar outras pessoas. Então, isso é bem maior que qualquer coisa”, conta.

Modelo Amy Deanna empodera outra mulheres

“Por que escolher se misturar quando você pode escolher se destacar?” Assim que Amy Deanna iniciou sua carreira na revista Covergirl. Assim como Winnie, ela foi uma das primeiras modelos com vitiligo na indústria cosmética americana e usa sua plataforma para celebrar a diversidade. “Eu trabalho pra Covergirl, eu sou negra, eu tenho vitiligo… Isso é muito empoderador”, diz.

Todos os relatos, trajetórias e conquistas dessas pessoas exemplificam a importância da representatividade na mídia. No entanto, elas provam que aos poucos surgem espaços para a celebração da diversidade. É um processo longo e necessário, até porque quanta gente maravilhosa o mundo iria deixar de ver se apenas o padrão estético continuasse dominando as capas das revistas, outdoors e propagandas?

Foto do capa: Reprodução Instagram / @winnieharlow, @goncalves_sam, @karineguimaraes19, @amy.deanna

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade