Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Vídeo de Karol Conká denunciando racismo em 2004 repercute na web

Vídeo antigo de Karol Conká sobre racismo na escola repercute na web

Karol Conká expôs o racismo cometido por um professor, em 2004, e vídeo antigo viralizou na internet. Veja!

publicidade

publicidade

Vídeo antigo de Karol Conká sobre racismo na escola repercute na web

Karol Conká expôs o racismo cometido por um professor, em 2004, e vídeo antigo viralizou na internet. Veja!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Vídeo de Karol Conká denunciando racismo em 2004 repercute na web

publicidade

publicidade

A luta contra o racismo é uma bandeira levantada por Karol Conká todos os dias. Através de suas composições e performances eletrizantes nos palcos, a rapper está sempre dando seu ponto de vista e aprofundando o tema. Nas redes sociais, um vídeo da cantora denunciando o preconceito racial cometido por um professor, quando ela tinha 18 anos, acabou sendo compartilhado e repercutiu nas redes sociais.

Karol Conká expõe racismo sofrido em sala de aula

O documentário gravado em 2004, no Colégio Estadual do Paraná, se chama “Preto no Branco: Negros em Curitiba”, dos cineastas Luciano Coelho e Marcelo Munhoz. No vídeo, a professora da classe fazia uma critica e explicava uma propaganda de um site neonazista que estava no mural dos alunos da instituição. Com isso, a cantora, que era fã de Elza Soares declarada, decidiu expor o caso.

“Tem um professor nesse colégio, que não vou falar o nome. Mas até o ano passado, ninguém sabia que ele tinha preconceito. Até o momento que só ficou eu e minha prima na sala de aula, estava tocando uma música no recreio e eu disse: ‘eu gosto dessa música’. Aí ele perguntou: ‘você gosta dessa música?. É música de preto’. Então, começamos a discutir”, começa Karol Conká.

Em seguida, a ex-colega de confinamento de Juliette no “BBB21” disse que contou aos seus colegas, mas não foi ouvida por seus colegas: “No nervosismo ele falou: ‘preto não é gente’. E ele falou que tinha preconceito racial. Eu cheguei na sala, contei para todo mundo, mas ninguém acreditou”.

“Ele falou que vim ao mundo para servir ele, porque ele é branco”

De acordo com Karol Conká, sua atitude na época não foi recuar e muito menos deixar o racismo do professor passar impune: “Aí chegou em uma outra aula e eu catuquei ele para ele falar alguma coisa. Ele falou na frente de todos que eu sou negra e vim ao mundo para servir ele, porque ele é branco. Falei que não tinha obrigação nenhuma de ouvir aquilo. Depois disso a minha mãe me tirou do colégio, foi uma falha. Mas esse ano eu voltei e deixei bem claro que se ele persistir nesse assunto eu não vou deixar quieto”, desabafou.

Por fim, já naquela época Karol Conká falava sobre a importância de denunciar e combater o racismo: “Muita gente fala que o negro processa para ganhar dinheiro. Não é. Eu não vou querer dinheiro. É só para provar para ele, que ele está errado. E o que ele fez? Me abraçou, passou a mão no meu rosto e disse que fez aquilo para eu me sair melhor no trabalho”.

Carol Dartora, vereadora de Curitiba e que também estudou pelo mesmo colégio da artista, foi uma das pessoas que repercutiu o vídeo pelas redes sociais. Assista!

Foto de capa: Reprodução / Instagram @karolconka

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade