Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Samara Felippo defende a desromantização da maternidade

Samara Felippo sobre maternidade: “Mulheres sempre foram silenciadas”

Samara Felippo expõe maternidade real nas redes sociais e já foi alvo de julgamentos: "Quando comecei a falar que não gosto de ser mãe, fui muito criticada". Leia mais!

publicidade

publicidade

Samara Felippo sobre maternidade: “Mulheres sempre foram silenciadas”

Samara Felippo expõe maternidade real nas redes sociais e já foi alvo de julgamentos: "Quando comecei a falar que não gosto de ser mãe, fui muito criticada". Leia mais!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Samara Felippo defende a desromantização da maternidade

publicidade

publicidade

Em cartaz com a peça “Mulheres que Nascem com os Filhos”, no Rio de Janeiro, a atriz Samara Felippo aborda sobre os estigmas da maternidade. No palco, ela apresenta assuntos profundos, mas com humor e pitadas de deboche. “A maternidade, se você não rir, fica pesada”. Mas, além da ficção, a atriz também levanta a militância da desromantização de ser mãe na vida real.

“A gente sempre vê as mães retratadas como guerreiras, de amor imensurável. Quando comecei a falar que amo minhas filhas, mas não gosto de ser mãe, fui muito criticada. Muitas mulheres nem tem a escolha de ser ou não mãe. Imagina a maternidade preta, periférica? As mulheres sempre foram silenciadas nessa escolha”, desabafou, em entrevista à Quem.

“A pandemia exacerbou a exaustão que é ser mãe”, desabafou Samara Felippo

Mãe de Alícia, de 12 anos, e Lara, de 8, fruto da relação com o jogador de basquete Leandrinho, Samara Felippo desenvolveu a produção da peça junto de Carolinie Figueiredo. De acordo com a atriz, veio de uma vontade de expor seus “dilemas, sombras e culpas”. “Eu estava com duas filhas pequenas e o castelo, que me ensinaram que eu precisava, tinha acabado de desabar”, disse.

Em seguida, Samara Felippo acrescentou que homens são bem-vindos em sua peça. “Não é segmentada, só para mulheres e mães. Os homens se surpreendem porque todo mundo é filho e tem uma mãe, tenha ela gestado, parido, criado, essa mãe tem uma história e é sobre isso que refletimos”, explicou ela, que precisou adiar o espetáculo por conta do coronavírus, em 2020: “A pandemia exacerbou a exaustão que é ser mãe”.

“Não duvidem do amor, mas não romantizem a maternidade jamais”

Vivemos em uma cultura que romantizou a maternidade e, ainda hoje, o mito da mãe perfeita persiste. No entanto, Samara Felippo faz parte do time de mulheres que asseguram que a realidade não é bem assim como pintam por aí.

Isso porque lidar com bebês e criar crianças é um processo exaustivo e pode chegar a ser desgastante. Nesse sentido, dizer que essas mulheres deveriam gostar de cada pedacinho disso não é bom, pois elas podem passar por dias ruins, se sentirem frustradas e ficarem vulneráveis.

Ao romantizar a maternidade, você restringe sentimentos reais, que nem sempre são agradáveis, e ainda pode causar constrangimento a quem sofre de depressão pós-parto, ansiedade e qualquer outro tipo de abalo na saúde mental durante este período.

Assim como ela, outras famosas afirmam que ser mãe é bem mais do que compartilhar seu amor incondicional pelos filhos, mas também confessar seus medos, dores, solidão emocional, estresse diário, exaustão psicológica e mais. “Entendi que cada maternidade é uma e, por aqui, estamos caminhando desse jeito e eu sei que sou a melhor que posso ser pra elas. Não duvidem do amor, por favor, mas não romantizem a maternidade jamais”, pediu Samara Felippo em outra ocasião.

Samara Felippo pede pelo equilíbrio da paternidade

Por fim, Samara Felippo pediu pelo equilíbrio da paternidade. O assunto se deu início com a participação de Pedro Scooby, que tem três filhos com Luana Piovani, no elenco do time Camarote pelo “BBB22”, reality no qual assuntos como a transfobia e a gordofobia já foram debatidos.

“Eu nunca iria sem avisar ninguém, mas deixaria, sim, com o pai e a rede de apoio que eu tenho. O pai tem carta branca e o aval da sociedade para correr atrás dos sonhos e as mães se sentem culpadas se fizerem o mesmo. A culpa é um lugar que prende as mulheres à relacionamentos abusivos”, completou.

Foto de capa: Reprodução Instagram / @sfelippo / @fotosdamandy

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade