Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Preta Gil fala de empoderamento e referência para outras mulheres

Preta Gil: “Já me odiei tanto, me boicotei tanto. Que bom que eu superei”

Em recente entrevista, Preta Gil fez uma retrospectiva da carreira como empresária e cantora. Agora, o objetivo da artista é incentivar outras mulheres ao empoderamento e autoaceitação. Confira!

publicidade

publicidade

Preta Gil: “Já me odiei tanto, me boicotei tanto. Que bom que eu superei”

Em recente entrevista, Preta Gil fez uma retrospectiva da carreira como empresária e cantora. Agora, o objetivo da artista é incentivar outras mulheres ao empoderamento e autoaceitação. Confira!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Preta Gil fala de empoderamento e referência para outras mulheres

publicidade

publicidade

Referência entre as vozes no Brasil, Preta Gil se tornou uma representante das mulheres fora do padrão que querem ser protagonistas de suas próprias vidas. Em entrevista à revista “Exame”, a cantora abriu o jogo a respeito dos paradigmas que quebrou ao longo dos anos, como artista e empresária.

“Durante anos da minha vida, a minha meta era eu pertencer, era eu conquistar, eu estar… Eu fui, durante muitos anos, a única. Eu era a única preta da turma da escola, eu era a única preta entre os amigos, eu era a única preta em muitos ambientes. Em um determinado momento da minha vida, eu compreendi que toda a minha visibilidade, toda a minha passabilidade, toda a minha fama, enfim… Eu tinha que usar para que eu não fosse só a única”, disse.

Preta Gil quer “libertar outras mulheres”: “Trazer junto comigo”

Por isso, seu objetivo era bem claro para ela. Além da busca pelo empoderamento e autoaceitação, a artista também queria ser um espelho para o público feminino:  

“Não adiantava só eu ser livre, empoderada e me amar. Eu queria libertar outras mulheres, eu queria que outras mulheres ocupassem aqueles lugares. Quando eu faço uma campanha de biquíni, eu não quero ser só o meu corpo gordo ali, eu quero que outros corpos também se sintam representados. Então eu entendi que, tudo bem, eu estou aqui, mas agora não é mais sobre mim, agora é sobre quem eu posso trazer junto comigo”.

Cantora desabafa sobre autoboicote: “Que bom que superei”

Ao longo de todos esses anos, Preta Gil andou lado a lado com a representatividade. Isto é, dentro e fora dos palcos. Pela cultura popular, ela, adepta do movimento #CorpoLivre, também agencia ninguém menos do que Pabllo Vittar. De acordo com Preta, a virada em sua vida só aconteceu aos 28 anos, quando era uma empresária bem-sucedida.

“Então, na minha carreira, essas coisas nunca foram separadas, eu sempre gerenciei minha carreira. Uma coisa que eu sempre fiz, desde criança, sempre gostei de ser ponte entre as pessoas, eu não posso ver um talento em potencial que as pessoas não conhecem, eu quero conectar essa pessoa com outras“, explicou.

Por fim, Preta Gil afirmou ter encontrado o sucesso. Segundo ela, o resultado disso é o sentimento de paz e a felicidade por suas escolhas ao longo dos anos. Além disso, a filha de Gilberto Gil não sente mais a necessidade de se reafirmar: “Eu conquistei tantas coisas, que já consigo respirar em paz, isso para mim é sucesso”. “Eu já me odiei tanto, eu mesma já me boicotei tanto, que bom que eu superei, que bom que tive um olhar de afeto comigo mesma”, completou.

Foto de capa: Instagram @pretagil / @emilierey

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade