Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Nina Gabriella tem corpo julgado como desproporcional e desabafa

Nina Gabriella foi vítima de body shaming e desabafou aos seguidores com foto de biquíni: "A questão toda é a falta de noção das pessoas na internet quando veem um corpo grande"

publicidade

publicidade

Nina Gabriella tem corpo julgado como desproporcional e desabafa

Nina Gabriella foi vítima de body shaming e desabafou aos seguidores com foto de biquíni: "A questão toda é a falta de noção das pessoas na internet quando veem um corpo grande"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Nina Gabriella é vítima de body shaming na internet e desabafa: "Cansa nadar contra a correnteza"

publicidade

publicidade

Nina Gabriella foi vítima de body shaming na internet. Em postagem feita em seu perfil do Instagram, a influenciadora compartilhou uma foto de biquíni para relatar o ocorrido. De acordo com ela, um internauta disse que Nina estava apresentando uma doença por julgar seu corpo como despropocional.

“Confesso que isso me pegou e fiquei refletindo, até com medo, sobre o assunto. Mas a questão toda é a falta de noção das pessoas na internet de acharem que podem diagnosticar, julgar ou dar uma “diquinha” quando veem um corpo grande, que é o mais visto como não saudável, com deformidade, desproporcional e doente”, desabafou.

“Às vezes, cansa nadar contra a correnteza”, desabafa Nina Gabriella

O body shaming pode trazer consequências negativas e impactar fortemente na saúde de quem lida diariamente com esses comentários. Em outras palavras, até mesmo quem considera ter uma boa autoestima pode ficar abalado ao ouvir uma crítica inesperada.

De acordo com a Nina, ninguém está livre de passar pelos julgamentos. No entanto, ela acredita que pessoas gordas são as que mais sofrem o peso dos comentários a respeito de seus corpos. “Afinal, que mulher gorda não tá em busca de dicas pra modificar o corpo, pra emagrecer, perder medidas, inibir o apetite e ‘cuidar da saúde’?”, ironizou a influenciadora. Além disso, completou o desabafo: “Enfim, só para dizer que a gente é forte, mas, às vezes, bate aqui e que cansa pra caralh* ter sempre que nadar contra a correnteza”.

Alexandra Gurgel explica como não praticar o body shaming

Para Alexandra Gurgel, ativista e fundadora do Movimento Corpo Livre, o body shaming é o ato de tornar o corpo do outro uma vergonha alheia. Por isso, para acabar com esse tipo de comportamento pelas redes sociais, a também jornalista aconselha a não ver a aparência física do outro como um domínio público e fazer uma espécie de treinamento.

“Antes de falar, pense. Você pode se aceitar, se amar, seguir outras pessoas, se dizer corpo livre, mas você ainda assim pode praticar o body shaming. Vamos tentar mudar porque é isso que é a raiz de um monte de problema, como, por exemplo, a autoestima baixa. Ele é um passo pro bullying e para a gordofobia. A gente precisa desnaturalizar isso e anormalizar essa situação. A gente precisa abrir os olhos e treinar. Se você fizer, repare e vai mudando. É um treinamento”, explicou.

Em seu primeiro livro, “Pare de se Odiar: Porque Amar o Próprio Corpo é um Ato Revolucionário”, Alexandra Gurgel aborda sobre pressão estética e preconceito, questionando os padrões impostos pela sociedade.

“O livro inteiro é para você se questionar sobre você. É para todo mundo que está querendo dar um grito de liberdade em direção ao caminho do amor-próprio. Amar o seu próprio corpo é um ato revolucionário porque é ir contra tudo o que te ensinaram e foi construído em você. É você começar um movimento de fazer as pazes consigo mesma, de parar esse relacionamento abusivo consigo mesma, e começar a se amar. É muito difícil quebrar e desconstruir padrões e nadar contra a maré. Por isso, a gente precisa se juntar cada vez mais e dar a cara a tapa”, explicou.

“Ninguém tem culpa de sofrer com o machismo e gordofobia”

Por fim, assim como Nina Gabriella, Alexandra Gurgel afirma que o preconceito com pessoas gordas é ainda mais cruel:

A gordofobia vai muito além da pressão estética. Se dou autoestima para a mulher que sofre pressão estética, ela vai se sentir melhor e a vida dela vai continuar, porque ela tem onde comprar, ela cabe nos lugares. Mas, quando a gente fala de pessoas gordas, falamos de falta de acesso e da patologização desse corpo, considerado doente”, pontua. Além disso, Xanda assegura: “Ninguém tem culpa de sofrer com o machismo e gordofobia”.

Foto de capa: Reprodução Instagram / @euninagabriella

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade