Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Masturbação, libido e mais: Karol Conká abre o jogo sobre sexualidade

Karol Conká sobre sexualidade: “Achava que estava fazendo errado”

Durante programa do GNT, Karol Conká falou sobre sexualidade, masturbação e falta de libido com onda de ódio nas redes sociais após BBB21. Confira!

publicidade

publicidade

Karol Conká sobre sexualidade: “Achava que estava fazendo errado”

Durante programa do GNT, Karol Conká falou sobre sexualidade, masturbação e falta de libido com onda de ódio nas redes sociais após BBB21. Confira!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Masturbação, libido e mais: Karol Conká abre o jogo sobre sexualidade

publicidade

publicidade

Karol Conká teve um papo sincero a respeito de sua sexualidade durante o programa “Prazer, Feminino”, no GNT. Durante o terceiro episódio da atração, a rapper revelou que era viciada em masturbação.

“Quando eu estava com 19 anos e estava trabalhando de estagiária, eu parava e ia no banheiro me masturbar. Eu achava que era um problema, mas, no meu caso, era descoberta do tesão”, revelou a artista, que teve o primeiro orgasmo sozinha.

“Eu também achava que estava fazendo errado até começar a ler que estava sentindo prazer comigo”.

Karol Conká perdeu libido por cancelamento virtual após “BBB21”

Já pelo primeiro programa, Karol Conká admitiu que encarou a falta de libido depois que deixou o “Big Brother Brasil 21”, época na qual sofreu com o cancelamento virtual por seu comportamento dentro do reality show da Globo.

“Achei nunca mais que ia sentir tesão. Eu fiquei tão brava comigo mesma porque me cobro muito também. Então, quando eu tenho essa autocrítica pesada, a libido foge, ela fala: ‘querida, nem vou ficar por aqui’. Eu fiquei, literalmente, tombada, mas a libido veio quando me reconectei com a minha essência”, declarou.

Rapper aprendeu a lidar com a rejeição

Quando o assunto é o cancelamento e ódio que a internet despejou em Karol Conká, a cantora priorizou sua saúde mental para poder reconhecer os erros e curar as feridas do passado. Além disso, outra opção era produzir um álbum novo.

“Depois de ver a imagens, a sensação que eu tinha era de nojo. E eu precisei reverter isso dentro de mim porque eu não poderia me abandonar. Eu realmente estava acreditando que eu era uma pessoa que não merecia estar na Terra. A forma que encontrei para me abraçar, então, foi a terapia”, contou.

De acordo com Karol Conká, a sociedade está acostumada com um padrão de comportamento da mulher e, a partir do momento que ela é mais incisiva, é taxada como “louca”.

“No meu caso, eu passei do ponto – e eu sei disso. Só que eu percebi que, assim como eu passei do ponto, as pessoas aqui fora passaram muito mais. Aconteceu comigo, mas poderia ter acontecido com outra mulher, com outra mulher preta. Mais chocada do que as minhas imagens, eu fiquei espantada com o ódio que as pessoas têm guardado”, declarou em entrevista à “Glamour”.

Para Karol Conká, racismo ficou escancarado com ‘a falha de uma mulher preta’

Por fim, Karol Conká acredita que muita gente aproveitou da falha de uma mulher preta para escancarar o racismo. “Eu me senti uma coisa a ser estudada, todo mundo estava me analisando, sendo que eu estava ali o tempo todo. Sempre estive nos programas sendo transparente, alegre e feliz. O que aconteceu foi que eu entrei em um reality e pirei. Quando saí, reconheci os meus erros, busquei entender o que eu tinha realmente para melhorar e o que foi algo isolado em um reality que me despertou sentimentos”, finalizou.

Foto de capa: Reprodução / Instagram @karolconká / GNT

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade