Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Famosos que já tiveram distúrbio alimentar

Distúrbio alimentar: 6 famosos que já passaram por transtorno

O distúrbio alimentar afeta 10% da população jovem no Brasil, de acordo com a OMS. No entanto, famosos brasileiros e internacionais já falaram abertamente sobre seus transtornos. Confira!

publicidade

publicidade

Distúrbio alimentar: 6 famosos que já passaram por transtorno

O distúrbio alimentar afeta 10% da população jovem no Brasil, de acordo com a OMS. No entanto, famosos brasileiros e internacionais já falaram abertamente sobre seus transtornos. Confira!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Famosos que já tiveram distúrbio alimentar

publicidade

publicidade

O que Cleo, Taylor Swift e Jameela Jamil têm em comum? Além de serem artistas e famosas, essas mulheres têm uma história com distúrbio alimentar, assim como 2,6% da população mundial.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil tem um número preocupante: cerca de 10% da população jovem sofre com algum tipo de transtorno relacionado à alimentação. Seja anorexia, anorexia nervosa ou compulsão alimentar, na maioria das vezes, o distúrbio vem associado a casos de depressão e ansiedade. 

Se esses transtornos, que são considerados tanto de natureza mental quanto alimentar, já são comuns na população anônima, imagine quantas celebridades, que têm seus corpos como ferramenta de trabalho, vivem essa difícil realidade?

Separamos alguns famosos que já compartilharam suas experiências sobre os distúrbios alimentares. Confira e fique ciente que alguns depoimentos podem gerar gatilhos emocionais. Por isso, caso não se sinta confortável, não continue a leitura. 

1) Lady Di e a bulimia nervosa: “Ela só queria manter a própria dignidade”

O mordomo pessoal de Diana, Paul Burrel, contou ao programa britânico “The Royal Beat”, no final do ano de 2020, que a bulimia nunca deixou de fazer parte da vida da princesa. Sempre muito engajada em pautas sobre inúmeras questões individuais e coletivas, a luta contra o distúrbio alimentar foi travada até sua última semana de vida, de acordo com Paul. 

Em entrevista à BBC, em 1995, ela desabafou: “A autoestima está baixa e você se sente sem valor. Você enche o estômago quatro ou cinco vezes por dia, talvez mais, e isso te conforta. Mas é só temporário. Depois, você sente nojo do seu estômago e põe para fora. É repetitivo e destrutivo.”

Na série “The Crown”, exibida pela Netflix, é possível ver em dois episódios a trajetória de Diana com a bulimia nervosa. Mas, por conta da força das cenas que tratam o tema, o serviço de streaming inseriu um alerta nos episódios dedicados a ela. “Este episódio contém cenas de um distúrbio alimentar, que podem ser gatilho emocional”. 

2)  O cantor Zayn Malik e anorexia como forma de controle

Ex-integrante da banda One Direction, Zayn Malik chocou os fãs quando compartilhou sua história com a anorexia. Isso porque, em novembro de 2016, ele contou em seu livro “Zayn” sobre os hábitos restritivos com a comida, esclarecendo que a doença não tinha relação com sua aparência.

“Não era como se eu fosse preocupado com meu peso ou algo do tipo. Eu podia passar dias, às vezes dois ou três dias seguidos, sem comer absolutamente nada”, relatou. “Ficou bem sério e, mesmo assim, na época, eu não reconhecia o que era”.

Zayn levantou um ponto muito importante ao questionar os estigmas dos distúrbios alimentares e expectativas da masculinidade tóxica. “As pessoas não esperam que isso aconteça com um garoto, mas sim com uma garota, e isso é insano para mim”. Zayn conclui: “Somos todos humanos. Antigamente, os caras precisavam ser muito másculos, mas hoje em dia expressar suas emoções é algo que as pessoas aceitam e respeitam”. 

Será que o relato do cantor vai fazer com que mais homens entendam que também podem compartilhar suas experiências e inseguranças?

3)  Cleo, fama e pressão estética: como lidar com a compulsão alimentar

A atriz, cantora e produtora brasileira Cleo sempre teve sua vida muito exposta, principalmente por ser filha de duas grandes celebridades, o cantor Fábio Júnior e a atriz Glória Pires. Cleo compartilhou em entrevista ao programa “Verão da Xanda”, no início de 2021, sua luta com a compulsão alimentar, pressão estética e a busca por um corpo livre.

Em 2019, Cleo passou a sofrer com a pressão por ter engordado e revelou que foi um processo em que teve que lidar com a sua insegurança. “Eu tive muito essa questão de não ter autoestima se eu engordasse. Mexia comigo nesse lugar”, relembrou ao falar sobre as mudanças no próprio corpo.

No entanto, hoje sua relação é mais tranquila quanto a isso e ela pondera. “Tem dias que me sinto (bem com o corpo), tem dias que não”, explica. 

4) Taylor Swift e as consequências da pressão estética em seus hábitos alimentares

Taylor Swift, cantora americana, carrega consigo uma longa trajetória com transtornos alimentares. Em entrevista à revista Variety, antes da estreia de seu documentário “Miss Americana”, ela afirmou que tudo começou quando tinha 18 anos e foi parar na capa de uma revista. A mídia alegou que ela estava grávida, já que sua barriga não estava tão “reta” quanto esperavam. Assim, ela começou a encarar o body shaming como punição

Taylor compartilhou em seu documentário sua percepção sobre como se sentia antes e como se sente agora: “Eu achava que o esperado era sentir que eu ia desmaiar depois de um show, eu achava que era assim que tinha que ser, mas agora eu percebo que não, que o normal é você se nutrir, se sentir forte e cheia de energia”. 

5) Jameela Jamil e anorexia: uma luta que virou movimento social

Jameela Jamil, atriz e ativista popularmente conhecida por seu papel na série “The Good Place”, dedica grande parte do seu tempo para informar e romper com estereótipos sobre saúde mental, feminismo, corpo livre e racismo. Além disso, a atriz é fundadora da página I Weight, que aborda esses e outros temas relacionados à liberdade corporal. 

Em entrevista à revista People, ela aponta a solidão como uma das principais causas dos seus transtornos de imagem. “Não tinha ninguém a quem eu pudesse recorrer com a minha tristeza e meus sentimentos ruins, então passei por maus momentos na minha adolescência”, disse, completando que a dismorfia corporal ainda é uma realidade para ela e, por isso, evita se olhar no espelho.

6) Demi Lovato, infância atribulada e a luta contra o vício

Para finalizar a lista, não podia faltar uma das principais celebridades que colocou o tema em discussão nos grandes veículos internacionais. Demi Lovato começou nas telinhas com 10 anos na série infantil “Barney e Seus Amigos”, mas ganhou fama aos 16 ao estrelar “Camp Rock”. Elu foi vítima de bullying na infância, quando recebeu diagnóstico de transtorno bipolar.

Além de sofrer com a bulimia nervosa, Demi também tinha episódios de automutilação, depressão e vício em substâncias. Por isso, a variedade de distúrbios culminou em sua internação e reabilitação com apenas 18 anos.  

Assim, em dezembro de 2020, Demi fez um relato emocionante em suas redes sociais sobre seu processo de cura. “Eu genuinamente acreditava que se recuperar de um distúrbio alimentar não era real. Que todo mundo estava fingindo ou recaindo por trás das portas […]. Sou muito gratu por poder dizer, pela primeira vez na minha vida, que meu médico me olhou e falou: ‘É assim que uma recuperação de um distúrbio alimentar se parece’”.

Você se identificou com alguma história desses famosos?

Levando em consideração a grande quantidade de casos de pessoas que sofrem com transtornos alimentares e a gravidade da doença, o assunto deve ser tratado com seriedade, mas também com esperança. Distúrbios alimentares têm remissão, ou seja, podem regredir de seus estágios críticos para uma vida normal.

No entanto, o que não pode ser deixado de lado é a avaliação da raiz do problema, seja ela a pressão estética, a cultura da dieta, a supervalorização do corpo ou questões de baixa autoestima. Por isso, de qualquer forma, vale reforçar que quem sofre com distúrbios alimentares deve procurar acompanhamento médico e psicológico. Por fim, se possível, buscar ajuda emocional em sua rede de apoio pessoal. 

Foto de capa: Reprodução Instagram / @jameelajamil

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade