Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

“Dieta é a cura que não funciona para um problema que não existe”

Frase do livro "The Fat Underground". Discutir sobre a cultura da dieta é necessário para que avancemos na autoaceitação. Leia a coluna de Rafaella Machado!

publicidade

publicidade

“Dieta é a cura que não funciona para um problema que não existe”

Frase do livro "The Fat Underground". Discutir sobre a cultura da dieta é necessário para que avancemos na autoaceitação. Leia a coluna de Rafaella Machado!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
"Dieta é a cura para um problema que não existe"

publicidade

publicidade

Se você é mulher e parou pra ler esse texto, eu imagino que a sua trajetória até a autoaceitação tenha sido sofrida e tortuosa. Isso porque, há poucos anos, a ideia de aceitar o seu corpo como ele está neste momento era impensável. Não existiam livros nem filmes que retratassem corpos diversos. O único lugar que corpos gordos ocupavam na publicidade era na foto de “antes” do comparativo “antes e depois”. Se você é adulta hoje, você cresceu venerando corpos de supermodelos, se comparando a um padrão que não é real e que foi photoshoppado. Vendido como alcançável se apenas você fosse capaz de colocar a preguiça de lado.  

Como se não bastassem as dietas da moda nos vendendo a promessa de “secar em 10 dias”, têm as cintas modeladoras, os cremes antienvelhecimento e as musas fit. Os termogênicos, as anfetaminas, os laxantes. A bariátrica, a lipoescultura, as próteses de seios e glúteos. Os aplicativos de edição de imagem, os realities de emagrecimento, a bichectomia para afinar o rosto. Para cada insegurança sua, existe um procedimento estético. Essa lista não tem fim.

As coisas que estamos dispostas a fazer pelo “corpo ideal” falam por si próprias. Desde cortar um grupo alimentício a arriscar a vida em uma mesa de cirurgia. E, quando uma mulher morre vítima desses procedimentos, a própria sociedade que empurra o emagrecimento goela abaixo as condena: “Também, quem mandou ser escrava da beleza? Morreu nas mãos da própria vaidade.”

Como foi que chegamos a esse ponto? O que estamos abrindo mão nessa busca incessante pelo corpo perfeito? O custo real da nossa obsessão com o corpo vai muito além da fome e da insatisfação com a nossa imagem. Nós sacrificamos horas dos nossos dias, sacrificamos uma relação boa com a comida, sacrificamos uma energia que poderia ser gasta com nossos relacionamentos e projetos pessoais. E, em troca, estamos mais infelizes do que nunca.

Eu já conhecia o trabalho da Xanda quando mais precisei dele. Por isso, meses antes do meu casamento, decidi de forma consciente que a única coisa que eu faria para entrar em um vestido de noiva seria encontrar um vestido que coubesse em mim. É um pensamento tão simples, mas que eu não teria como colocar em prática se não fosse o trabalho e o ativismo da Xanda. 

E, ao me permitir casar com o corpo que eu tinha naquele dia, eu pude focar completamente na minha relação, no evento, nos convidados e também me reconhecer nas fotos, em vez de fazer aquilo tudo ser sobre o meu peso. Porque infelizmente, a realidade é que a pressão estética, presente em toda a vida das mulheres, vêm com força total na hora do casamento. É nessa hora que vivemos na pele o machismo por trás da produtificação dos nossos corpos.

Pense nas manchetes “Descubra como Fulana fez para secar e entrar no vestido de noiva”, “Dietas para casar de barriga chapada”, “Como controlar a gula durante o noivado”. É toda uma indústria que te faz acreditar que você só será digna do seu marido se couber em um vestido X. E não só durante o casamento, mas depois dele, ok, meninas? No entanto, não vejo nenhum homem com a mesma neura sobre caber no terno. 

Emagrecer para casar é um pensamento tão difundido na sociedade que, até eu casar, não sabia que era possível planejar esse evento sem pensar em diminuir de tamanho. Assim, da forma como a cultura do emagrecimento funciona, todas as etapas da vida feminina são sobre perder peso. Vai casar? Emagreça! Virou mãe? Emagreça logo e recupere o seu corpo de “antes.” 

Talvez por isso, entre uma dieta da proteína e uma aula de crossfit, você tenha se perguntado se o propósito da sua vida era realmente baixar ao máximo o índice de gordura corporal do seu corpo. Quem sabe, dentro do provador da loja, ao se deparar com o tamanho da sua calça, você tenha desconfiado de que a felicidade poderia estar em outro lugar e não na numeração de um jeans. 

E adivinha o quê? Você estava certa. A parte de você que sempre desconfiou de que havia mais para ser conquistado na vida do que o corpo perfeito estava certa. Existe toda uma vida a ser vivida para além dos padrões de beleza, e é deste assunto que a Alexandra aborda.

O trabalho da Alexandra é importantíssimo quando pensamos em representatividade. Isso porque, quando a atual geração de mulheres adultas estava crescendo, não havia nenhuma mulher fora dos padrões nos falando que a vida era mais do que uma guerra com a balança. Só o fato da Xanda existir nas mesmas redes sociais que propagam a competitividade tóxica pelo corpo perfeito, em si, já é um antídoto contra o sistema.

E assim, vídeo após vídeo, post após post e agora livro após livro, a Xanda desmascara a canalhice por trás da cultura da dieta. Também te fornece instrumentos para repensar sua autoestima. Por fim, te ajuda na construção de um amor-próprio capaz de revolucionar a sua vida. 

Por isso, se você está cansada de começar e falhar em mais uma dieta, se não aguenta mais os grupos de família do whatsapp fazendo piadas com gordos, se você já começou a desconstruir tudo aquilo que foi doutrinada a acreditar, esse livro é para você.

E, se você não sabe nem por onde começar, só sabe que está cansada de se odiar, então esse livro também é para você. Então, aposente a sua cinta modeladora e se junte à revolução que está libertando mulheres pelo mundo afora. Afinal, existem milhões de formas de ser bonita de verdade e nenhuma delas envolve sofrimento.

*Esse texto foi originalmente escrito como prefácio do livro “Comece a se Amar”, segunda obra literária de Alexandra Gurgel. Para garantir seu exemplar, clique aqui.

Foto de capa: Adobe Stock

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Rafaella Machado

Rafaella Machado

Sou apaixonada por livros e tudo que envolve o universo literário, da capa a história ao projeto gráfico. Sou Editora-Executiva da Galera Record, onde publicamos grandes obras desde fantasia épica a romances contemporâneos com foco em diversidade.

publicidade