Bom dia, boa tarde, boa noite, ou seja lá a hora que você estiver lendo isso :)

Depilação é tabu? A pressão estética em torno da remoção dos pelos

Depilação é tabu? A pressão estética em torno da remoção dos pelos

Um dos estereótipos mais conhecidos é que mulheres não devem ter pelos no corpo e que a depilação é obrigatória. Afinal, esse comportamento estético é algo natural ou uma imposição da sociedade?

publicidade

publicidade

Depilação é tabu? A pressão estética em torno da remoção dos pelos

Um dos estereótipos mais conhecidos é que mulheres não devem ter pelos no corpo e que a depilação é obrigatória. Afinal, esse comportamento estético é algo natural ou uma imposição da sociedade?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Depilação é tabu? A pressão estética em torno da remoção dos pelos

publicidade

publicidade

Cada vez mais mulheres procuram uma forma de reivindicar a beleza natural sem os sacrifícios a que são submetidas. Em outras palavras, muitas delas tentam quebrar os preconceitos e estereótipos impostos pela sociedade com o simples intuito de se sentirem mais livres. Exemplo disso: abrindo mão da obrigatoriedade da depilação.

Pelos femininos sempre foram vistos como falta de higiene

Por muito tempo, os pelos no corpo feminino foram vistos como falta de higiene e até mesmo uma manifestação feminista. Mas afinal, a depilação é uma obrigação apenas entre o sexo feminino? É algo normal ou foi algo imposto pela sociedade? Vamos entender mais sobre isso!

90% da população mantém preconceito contra as mulheres

A primeira navalha descartável masculina surgiu em 1903 e, só em seu primeiro ano pelo mercado, a Gillette vendeu mais de 90 mil unidades. Na época, para expandir ainda mais, a marca se juntou com outras revistas femininas e a indústria da beleza fizeram campanhas para convencer mulheres de que seus pelos eram indesejáveis.

Nesse meio tempo, a primeira navalha feminina se disponibilizou de maneira exclusiva para mulheres e as publicidades impuseram na mídia que pelos eram “embaraçosos” e até mesmo “desagradáveis”. Assim, as mulheres eram motivadas (e pressionadas) a comprarem o produto e se depilarem.

O estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que inclui dados de 75 países que representam 80% da população mundial, destaca que, apesar de décadas de avanços rumo à igualdade entre os gêneros, cerca de 90% da população mantém algum tipo de preconceito contra as mulheres.

Madonna, Paris Jackson e mais famosas que defendem pelos no corpo

Por muito tempo, evitar lâminas, ceras, laser e até mesmo pinças foi visto como uma onda de excitação de muitas mulheres. Com isso, a escolha de não se depilar ainda tem sido considerada uma declaração feminista. No entanto, é necessário se perguntar qual é a motivação por trás da remoção dos pelos. Simplesmente por gosto pessoal? Consciência da percepção que a sociedade tem sobre os pelos do nosso corpo? Receio do julgamento?

No universo das celebridades, algumas delas quebraram o tabu e se tornaram fonte de inspiração ao ostentar a naturalidade de seus corpos em eventos tão importantes. Em 1999, fotógrafos clicaram Julia Roberts com pelos na axila durante a estreia do filme “Um Lugar Chamado Notting Hill”. Foi apenas em 2018 que ela esclareceu que tratava-se de um erro ao calcular seu vestido. Mas não podemos deixar de destacar que houve um grande reflexo sobre muitas mulheres na época, não é mesmo?

Além dela, Madonna, Lourdes Maria, Paris Jackson, Drew Barrymore e Miley Cyrus entram nessa lista combatendo o padrão. Uma das protagonistas da série “Girls”, Jemima Kirke explicou que não se depilar tratava-se de uma preferência pessoal. Por isso, nas redes sociais, ela aproveitou para dar seu posicionamento com relação a feminilidade. “Como mulheres, somos ensinadas a vida toda que emagrecer é melhor, que quanto menos espaço ocupemos, melhor, e que demonstrar força não é algo associado a ser feminina”.

Afinal, a depilação realmente importa?

Por fim, podemos afirmar que os pelos no corpo de uma mulher são normais e o importante é assumir o controle e ficar confortável consigo mesma. Se depilar de forma religiosa, às vezes ou simplesmente abrir mão desse procedimento estético não importa. O que importa é se sentir bem consigo mesma e dar um basta nessa crença ultrapassada de que pelos e beleza feminina não são compatíveis.

Foto de capa: Reprodução Instagram / @amaia

CURTIU? COMPARTILHE AQUI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Redação Alexandrismos

Redação Alexandrismos

Somos uma equipe de profissionais e colaboradores empenhados em transformar através da informação e da diversidade. Enquanto veículo, queremos construir uma nova forma de dialogar na internet sobre #CorpoLivre.

publicidade